Posts Tagged ‘10 km’

São Silvestre da Amadora

Janeiro 1, 2014

Mais uma ida à Amadora para dar início ao ritual de mudança de ano. Esta prova é das poucas às quais tento ir sempre que possível, por ser perto de casa e por achar que estes dias de festa são bons dias para treinar e fugir do conforto (essa grande causa de moleza).

Antes da prova já ouvia o pessoal a falar da mudança de percurso, que pouco depois foi confirmada pela organização: tinham eliminado a subida do “Lido”, e feito algumas alterações para compensar a distância. Pessoalmente não sou grande apreciador das mudanças de percurso das provas, por duas razões: em primeiro lugar porque qualquer planeamento baseado no conhecimento do percurso acaba desvirtuado; em segundo lugar porque impossibilitam a comparação dos tempos de um ano para o outro. De qualquer forma a prova teve a distância suposta, e isso é o que mais interessa.

O céu estava um bocado nublado e ainda pensei que talvez fosse chover um bocado, mas as nuvens desta vez deram descanso ao pessoal (e ainda bem, pois ainda me lembro da chuvada que apanhei no ano passado enquanto esperava pela partida).

A Amadora é sempre a mesma história, mesmo com algumas mudanças no percurso: subidas e descidas, muita gente na rua, muita malta já a meio dos festejos (copos) de fim de ano, alguns dos quais a mandar bocas mais ou menos parvas aos atletas.

A minha prova é que não teve grande história. Foi chegar, correr e acabar o mais rápido que consegui, com o relógio a marcar 49m49s. Não foi nada de especial mas para quem está com 7 ou 8 kg a mais, já foi aceitável, embora muito perto daquele “limite” dos 50 min…

Para o ano há mais Amadora.

São Silvestre da Amadora (2012)

Dezembro 31, 2012

Hoje fui à Amadora para participar pela terceira vez consecutiva nesta prova que “encerra” o ano civil. Acho que esta é a prova na qual tenho mais participações (três). É uma prova que calha bem em termos de data (ajuda a eliminar as calorias em excesso do Ano Novo) e fica perto de casa.

Este ano houve um par de novidades:
A primeira é que estava a chover. A segunda é que mudaram ligeiramente o percurso.

Com tanta chuva nem fui aquecer. Nem eu, nem a malta que estava comigo.

Normalmente esta prova tem muitas pessoas a assistir, quer na rua, quer às janelas. Pensei que com a chuva fosse haver menos público nas ruas, mas depois isso acabou por não se verificar. De todas as provas que fiz, esta é a que tem o melhor apoio popular, sem qualquer dúvida. Não há uma única secção em que não haja apoio.

Saindo do carro, onde estava escondido da chuva e do frio, liguei o meu Garmin: Sinal de bateria fraca. Oops. Tenho quase certeza que o tinha carregado ontem, portanto ou o liguei sem querer, ou então a bateria está mesmo pelas ruas da amargura e vou ter de entrar em despesa em 2013… mas ainda tinha uma barra, e uma barra tipicamente dá para uma horita. Podia ser que desse.

Só nesta altura é que nós percebemos que o percurso ia ser diferente do ano passado, porque o balão da partida estava ao pé do Rangel (nos anos anteriores o arranque foi em frente ao Pingo Doce).

Fomos para lá, sempre com chuva a cair na cabeça. Deram a partida das senhoras e nós continuámos à espera.

Pelo que percebi da conversa do animador, a prova bateu ou esteve perto de bater o record de participantes. Suspeito que a crise fez com que muita gente não tenha viajado nesta passagem de ano, deixando assim o calendário aberto para mais uma corridita.

O pessoal já estava a ficar impaciente… mas lá arrancou a prova. Toca a subir.

Primeiro quilómetro feito em 5:15.1; Nada mal para um quilómetro quase todo a subir e sem aquecimento. Segundo quilómetro feito em 5:17.5;

Pouco depois do 2º quilómetro o meu Garmin apagou-se. E pronto, agora era correr sem referência e ver o que saía dali.

Eu ia com algumas dores nas pernas. Era dor de perna em esforço e não parecia ser muscular. Suspeito que foi mais à conta da falta de aquecimento do que de outra coisa. Outra hipótese era ser por causa dos ténis, que nunca tinha usado em prova, mas com os quais já tinha feito mais de 100 km de treino para a Maratona, portanto já não deveriam causar problemas – a não ser que não sejam grande coisa. Na subida do Lido essas dores nas pernas tornaram-se um pouco mais chatas, mas acabei por subir sem grande dificuldade, embora não tenha sido a melhor subida que fiz daquela rua.

Algures pelo 7º km um rapaz veio contra mim e deu-me uma ligeira carga de ombro. Estava com ar de quem ia cansado, pois não ia com boa postura. Chamei-lhe à atenção, o que resultou neste diálogo:

> Desculpe. É que estou com pressa.
> Estás com pressa para quê? Para fugir da chuva?
> Para acabar a corrida.
> Mas tens de ter cuidado para não provocares uma queda…

(Diálogos “engraçados” a meio da prova.)

Pouco depois cheguei passei na placa do 8º quilómetro e perguntei o tempo a um corredor que ia ao meu lado. Disse-me que ia em 38 minutos. Pensei que ainda era capaz de dar para baixar ligeiramente o tempo do ano passado, pois agora o percurso era maioritariamente a descer.

Esqueci-me foi que o percurso não tinha começado no sítio do costume. Quando cheguei ao Pingo Doce e vi a placa do 9º quilómetro é que percebi que ainda faltava um bocado grande. E lá tive de ir correndo em direcção às Portas de Benfica (ou de Lisboa?), antes de chegar ao ponto retorno (um bocado antes das ditas Portas).

Feito o retorno era só aguentar até à meta.

Cheguei à meta com o relógio oficial a marcar 48 minutos e qualquer coisa. Como não tenho tempo do meu relógio, não sei ao certo qual o tempo líquido, mas estou a suspeitar que não bati o tempo do ano passado. Claramente cheguei à meta menos cansado.

Acabei por ficar satisfeito com a prova, pois o percurso desta corrida não é fácil, e a chuva também não ajudou.

Fiquei com alguma pena por não ficar com o registo electrónico da prova, mas pronto, não se pode ter tudo. Fica aqui uma imagem que mostra o que o Garmin conseguiu captar:

são-silvestre-amadora-2012

Corrida do Direito Rugby (2012)

Maio 20, 2012

Hoje fui até Monsanto para participar nesta prova organizada pelo Clube Desportivo Direito. Era a minha primeira participação nesta prova e era também a primeira prova de 10 km na qual eu ia participar este ano.

Já há alguns meses que não ia correr no Monsanto, que é um dos melhores sítios para correr em Lisboa.

Sabia que a prova ir ser à base do sobe-e-desce mas não tinha arranjado um gráfico da altimetria.

Fui cedo para Monsanto, levantei o dorsal e fiquei por lá à espera que o tempo passasse. E estava algum frio e de vez em quando caiam umas pingas de chuva.

Enquanto esperava pareceu-me ver, ao longe, um cão a correr com um dorsal… talvez fosse o sono a pregar-me alguma partida…

Um pouco antes da partida o tempo parecia e o céu estava claro. Pensei que já não fosse chover. Um pouco depois da partida, começou a chover imenso. Alguns dos participantes até pararam para se abrigarem da chuva…

A parte inicial da corrida começa com uma subida com cerca de 500 metros. Depois o percurso dá uma volta no Bairro da Boavista, onde se faz uma subida ainda mais íngreme do que a anterior. Depois volta a entrar na recta que vai ter à zona da partida, repetindo a subida inicial. Por esta altura a chuva já tinha parado. Nesta segunda passagem da subida inicial o percurso continuou numa direcção diferente, tendo desta vez passado por baixo da A5, com mais uma subida íngreme para abrandar a malta.

Um pouco antes dos 5 km passei por um cruzamento onde alguns carros estavam parados devido ao corte de transito feito pela polícia. No meio disto alguns condutores estavam a mostrar muita falta de civismo na sua forma de “reclamar” pelo corte do transito.

Lá continuei a correr, aproveitando as descidas para recuperar o tempo que ia perdendo nas subidas.

A pior subida da prova deve ser a subida do 7º km. São uns 800 metros de subida íngreme. Um pouco antes do 8º km a prova entra numa descida longa, que dura cerca de 1500 metros e que é ideal para ganhar velocidade. Foi só soltar as pernas e aproveitar a gravidade para fazer o quilómetro mais rápido da prova.

Chegado ao final da descida faltava pouco menos de 1 km para a meta. Apertei um bocadinho para fazer um final rápido, aproveitando o facto de ainda ter energia para isso.

Cheguei ao fim com 51:17 (min), tendo o Garmin marcado 10.12 km.

Fiquei satisfeito com o resultado, principalmente porque me senti sempre bem durante as subidas e porque ainda acabei com força. Esta prova é um bom desafio devido às muitas subidas que fazem parte do percurso.

Em princípio será uma prova para repetir.

Até à próxima.

São Silvestre da Amadora (2011)

Dezembro 31, 2011

Hoje fui até à Amadora para participar pela segunda vez na prova de atletismo que fecha o ano 2011.

Esta prova tem um sobe e desce engraçado que a torna um bom desafio. Tem três subidas de relevo (começando logo com os 2.5 quilómetros iniciais) e depois muitas descidas nas quais dá para recuperar tempo.

Enquanto esperava pelo início da prova, fui cumprimentado pelo Zé Magro.

O meu objectivo era fazer abaixo dos 50 min. O plano era simples: subir com calma os primeiros quilómetros e depois começar a recuperar tempo com as descidas, se as pernas o permitissem. E assim foi.

Muita gente nas ruas da Amadora a apoiar os corredores. Muita gente também às janelas. Esta deve ser a prova das que participei na qual o público mais se envolve com a corrida. É pessoal a desejar “Bom Ano” por todo o lado. Alguns até já “pareciam” estar com “efeitos” dos festejos :).

Passei aos 5 Km com algo à volta dos 23:30 (min). A coisa estava a andar bem mas estava na altura de lidar com a subida do Lido. Custou-me um bocado subir  aquilo e perdi algum ritmo, mas depois do abastecimento lá consegui recuperar.

Durante uma grande parte da prova tive um senhor (na casa dos 60 anos) ao meu lado a fazer-me passar vergonhas :). Foi um grande contributo para o tempo que acabei por fazer, pois para que não me passasse, não pude relaxar minimamente.

Um sprint para finalizar e lá terminei a prova. O Garmin marcava 47:23 (min). Estou satisfeito.

Foi bem melhor do que o meu tempo do ano passado (59 min. e qualquer coisa), mas nessa vez não tinha estado com nenhuma preocupação competitiva.

Até à próxima :).

Corrida do ISCPSI / APAV

Março 27, 2011

Este mês houve oferta de corrida com fartura, o que fez com que eu fosse a 4 corridas em 4 fins de semana consecutivos. Hoje, para fechar o mês, fui à Corrida do ISCPSI / APAV. No ano passado, neste mesmo dia, tinha estado na Corrida do Pai. Este ano não até era capaz de a repetir, mas não sei o que lhe fizeram… Mas adiante, que variedade também é bom.

Convenci dois novatos a irem também. Um deles (Luís) já fez algumas corridas, mas o outro (Tiago) era estreante. Acho que só o convenci porque ele mora ali perto da zona da partida, mas pronto, o que interessa é que aceitou o desafio :).

O tempo de manhã estava fresquinho, mesmo a jeito para correr à beira-mar.

Partiu-se de Alcântara, mais concretamente do Largo do Calvário, em direcção ao Cais do Sodré. Antes de chegar ao Cais do Sodré era o ponto de retorno, e a corrida passava a ser em direcção a Belém, de onde se retornava novamente para acabar perto do CCB.

Este percurso tem a particularidade de praticamente não ter desníveis, pelo que era ideal para mais uma correria atrás do relógio. Em Mem Martins, num percurso cheio de sobe e desce, os 10 Km tinham ido em 44:56 (min) e esta corrida era uma oportunidade de confirmar (ou não) que estou a conseguir percorrer 10 Km em 45 minutos.

Quando deram o tiro lá arranquei e fui quase a passo até arranjar espaço para correr. Pouco depois já ia num ritmo mais rápido e pronto para irritar o relógio.

Dez quilómetros são dez quilómetros e correr a 4:30 min/km não me deixa grande espaço para apreciar a vista. Por esta razão não tenho grandes recordações da prova.

A maior dificuldade que senti foi o vento contra que se fez sentir algures entre os quilómetros 6 e 9. Isto coincidiu com uma fase em que tive de andar a apertar o ritmo para andar “de ilha em ilha” (ou seja, de pequeno grupo de corredores em pequeno grupo de corredores). Mas prefiro o vento contra do que o sol maluco que estava na semana passada na Meia-Maratona de Lisboa.

Tempo final: 44:32 (min). O Garmin marcou 10.06 Km. É o meu novo record pessoal em provas de 10 Km 🙂 e é a segunda vez que faço menos do que 45 minutos nesta distância.

Esta prova foi provavelmente a prova onde me deram mais “brindes”, quer no saco que me deram quando paguei a inscrição, quer no saco que deram no final. Só encontrei dois pontos negativos na prova: a t-shirt da prova era preta e de algodão, pelo que não a usei porque correr de preto é faltar ao respeito ao Sol. O outro ponto negativo foi a impossibilidade de pagar a inscrição via-Multibanco. Enfim, nada do outro mundo. No próximo ano sou capaz de voltar.

PS: O Tiago, o estreante, no caminho de regresso, vinha a dizer “a seguir quero fazer uma prova de 5 Km” ;).

Grande Prémio de Mem Martins

Fevereiro 20, 2011

Fui hoje participar pela primeira vez no G. P. de Mem Martins, que teve hoje a sua quarta edição.

Durante a semana tinha feito um treino de 31 Km e até pensei em não ir correr hoje. No entanto, como já tinha pago e não gosto de deitar dinheiro pro lixo… lá fui eu.

Já sabia que ia encontrar muito sobe e desce, e que havia algumas subidas tramadas. Fiz um bocado de corrida para aquecer, muitos alongamentos (alguns músculos das pernas ainda não estão a 100%) e meti-me na fila para a partida.

Comecei a correr. Passo no primeiro Km em cima dos 4 minutos. Já tinha reparado que ia rápido e estava-me a sentir bem, mas ainda era cedo, portanto resolvi acalmar. Para acalmar nada como escolher uma pessoa como referência e não a ultrapassar (assumindo que essa pessoa mantém um passo constante). Fiz isso e juntei-me lá a um rapaz. Mas pouco depois, lá pro 2º Km, ele resolveu fugir dali e deixei-o ir. Era muito cedo e estava à vista uma subida meio maluca.

Pouco depois entro na tal subida maluca mas não sem antes ter de me desviar numa rotunda para deixar passar um carro da PSP que ia com urgência. A subida teve para aí uns 700 metros e era bem inclinada. Já se via pessoal a ficar para trás e a andar. Para quem conhecer a zona, é a subida que o LeClerc no topo.

Passo ao 5º Km com 22.05 (min). Uns metros depois está a distribuição de água. Apanhei uma garrafa, bebi um bocado mas, de repente, deixei a garrafa escorregar e a mesma caiu no meio do chão… nada a fazer, adiante. A partir daqui foi uma secção de descida, uma recta e outra descida.

Um pouco depois do 6º Km começou mais uma subida inclinada e longa (uns 600 metros), que acabou ao 7º Km. Novamente a descer. Ao final desta descida voltei a alcançar o rapaz que tinha fugido ao 2º Km. Olhei para a esquerda e percebi que iamos subir novamente a subida maluca até ao LeClerc. O tal rapaz nesta altura já só dizia asneiras e eu ria-me :p. A subida é bem lixada, e fazê-la duas vezes no mesmo espaço de 20 ou 30 minutos foi obra.

(Aparte: Nesta fase reparei numa coisa, que já me aconteceu na Corrida de S. Domingos de Benfica: eu era um dos últimos no grupo onde ia e não vinha ninguém perto a seguir-nos. Ou seja, havia ali uma “quebra”. Estou curioso para ver as classificações.)

No topo da subida, quando recuperei o folego, consegui descolar do tal rapaz. Já faltavam só uns 1500 metros para a meta. Um pouco mais à frente fui alcançado por um senhor de mais idade que me ajudou ali a manter o ritmo e a fugir a eventuais quebras.

A certa altura entrei na recta da meta. Quando vi o balão comecei a acelerar. Olhei para o relógio e faltava meio minuto para os 45. Vai dar, não vai dar, vai dar…

A uns 5 metros da meta olho para o cronómetro oficial e o vejo-o a mudar para os 45 min. Disse um palavrão qualquer e afroxei um bocado. Cruzei a meta, parei o cronómetro e lembrei-me que tinha começado um bocado atrás, portanto o tempo real seria abaixo do tempo oficial.

Olhei para o Garmin para ver o tempo: 44.56 min. O Garmin marcou 10.12 Km. Eu estava todo roto.

É o meu novo record aos 10 Km, mas acabei por beneficiar do percurso (apesar de ter acabado todo roto). Isto porque, embora as subidas sejam inclinadas e longas, as descidas acabam por compensar e permitem recuperar tempo.

Para lidar com estas situações de provas com percursos pouco lineares, só vou dar o objectivo dos 45 min aos 10 Km como cumprido quando fizer 3 provas de 10 Km (seguidas) em 45 minutos ou menos. De qualquer forma, estou-me a aproximar, e é que isso que interessa :).

No final da prova deram-me uma garrafa de água e um saco com uma t-shirt, uma laranja e uma maça.

Gostei da prova: o percurso é variado (tirando aquela repeticação da subida maluca) e nada monótomo. Tinha pouca gente, portanto deu para aquecer, deu para começar perto do balão de partida e deu para correr à vontade. Em princípio será para repetir no próximo ano.

Corrida São Domingos de Benfica (2010)

Janeiro 16, 2011

Fui hoje até Sete-Rios para enfrentar o frio matinal e fazer uns KMs. Fui para lá muita cedo para levantar o dorsal, e realmente apanhei com o frio todo durante mai de 1 hora de espera à frente do Zoo. Para compensar estive um pouco à conversa com o José Magro d’O Mundo da Corrida e com a senhora Analice (uma das Madrinhas-Pirata de Monsanto).

Durante a semana apenas fiz um treino (ontem, nos trilhos do Parque Florestal de Monsanto) pois tinha estado constipado…

A coisa começou rápida. Passei aos 5 Km com pouco mais de 22 minutos. Já estava a ver que ia dar para record mas não conhecia o percurso portanto não sabia bem o que ia sair dali (normalmente tenho o cuidado de pesquisar informação sobre a altimetria, mas desta vez não tive tempo). A certa altura houve lá uma subida que me deu cabo do juízo porque estava-me a sentir com pouca força nas pernas (e eu normalmente subo bem) e aquilo parecia que nunca mais acabava. Já ontem no treino em Monsanto tinha estado com alguma dificuldade em subir… Mas pronto, tive de me aguentar à bronca e não desanimar com a falta de resposta das pernas.

Como o que sobe tem de descer, a certa altura aquilo começou a descer. Os últimos dois quilómetros eram novamente em terreno sem desnivel, portanto a coisa estava bem encaminhada. Colei-me a um senhor que me tinha passado na subida e fui com ele até que estava perto o suficiente para aumentar um pouco mais o ritmo. Passei a meta em sprint. Estava tão concentrado no sprint que não parei logo o relógio…

Resultado 46:16 (min), que é um novo record pessoal 🙂

O Garmin marcou 10.22 Km.

São Silvestre de Lisboa (2010)

Dezembro 26, 2010

Fui esta tarde fazer a prova de São Silvestre de Lisboa.

Levava pendurado na t-shirt o peluche que me foi oferecido pela madrinha Pirata na quinta-feira passada, o que fez com que alguns piratas me chamassem para a conversa e para tirar umas fotos. Entretanto até a madrinha Pirata apareceu :).

Como mencionei no post anterior, no ano passado desisti a meio caminho desta prova, devido a uma dor-de-burro valente que me tinha dado entre o 3º e o 4º Km. Portanto este ano queria mesmo acabar esta prova, para não ficar com “macaquinhos no sotão”. Desta forma era importante controlar o passo nos quilómetros iniciais. O Garmin ia dar uma ajuda valente nesse aspecto.

Entrei na área dos sub-50. Estava um mar de pessoas (acho que este ano aumentaram o número de vagas disponíveis).

Liguei o Garmin, para ir apanhando o satelite. Satelite ele encontrou mas… ficou sem bateria. Lá se foi o meu controlo de passo e também o controlo do tempo final “real”.  A lebre dos sub-50 estava um pouco mais à frente, pelo que decidi ir atrás dela (ou melhor, dele).

Começou a prova, com uma grande confusão para chegar à linha da partida. Arranquei e passados uns 300 metros cheguei ao pé da lebre. Mantive-me ali a uns metros dela e fui recuperando. Ao 1º quilómetro já estava a correr ao lado da lebre. Continuei ao lado da dita até à volta nos Restauradores onde a lebre acabou por ficar para trás devido a alguma confusão que por ali ia. Em vez de esperar pela lebre deixei-me ir. Não me sentia a correr demasiado depressa mas como já tinha passado a lebre,  já estava a ver o filme a ser parecido ao do ano passado… continuei e estava-me a sentir bem. Passei o 3º quilómetro bem, ao contrário do ano passado. Passei o 4º e também estava bem… mas não durou muito. Antes da zona de retorno antes do 5º Km (perto dos 4300 metros, mais coisa, menos coisa) começou-me a dar uma dor-de-burro. Reduzi logo o andamento e comecei a fazer massagens na zona. Comecei também a ficar com pouca força na parte inferior das pernas… comecei a ser ultrapassado por todos os lados. Onde é que já vi este filme?

Quando cheguei ao início da 2ª subida para os Restauradores (6º Km), já me sentia um pouco melhor, mas continuava lento como tudo. Acabou por ser a subida até ao Marquês que me ajudou a recuperar. Quando cheguei lá cima já estava bem melhor do “burro” e as pernas já não estavam sem força. A partir dali o percurso ficou mais fácil pois era só descer até ao Rossio e depois era sempre em recta sem desnível, apenas sendo necessário fazer duas curvas.

Quando entrei na recta da meta já ia a correr a um bom ritmo. A certa altura deparo-me com o cameraman e outro homem, que estavam a filmar aquilo mesmo no meio da rua. Tive de me baixar para não ir contra eles (passei por baixo do braço de um :)). Suponho que devem ter apanhado imagens giras, mas não me pareceu boa ideia estarem mesmo ali no meio, na zona dos sprints para a meta… :p

Cruzei a meta. Estava feita e o objectivo de terminar estava alcançado. Tempo oficial: 50:20 (min). Não sei se é tempo líquido (chip) ou bruto. Gostava de saber o meu tempo aos 5 Km para ver se realmente apertei muito na primeira metade, mas o site não dá essa indicação 😦

De qualquer forma fico na dúvida sobre se estas dores-de-burro fortes são à custa de ritmo exagerado meu, ou se a alimentação descuidada desta época também contribui para isto.

Falta a São Silvestre da Amadora para fechar o ano em termos de corridas.

PS: Entretanto publicaram os resultados com os tempos de chip. Fiz 48:46 (min). É o meu novo record em 10 Km.

Porque 10 KM?

Abril 6, 2010
Além de ser um número redondo, existem outras razões para me ter proposto a ter um tempo de jeito aos 10 KM.
A razão principal é o facto de eu gostar de correr os 10 Km – não sei bem porquê… mas agrada-me muito essa distância.
Além disso, 10 KM é uma distância que:
  • consigo correr sem grande desconforto físico – se bem que às vezes não parece :p;
  • consigo correr em menos de uma hora, o que faz com que me seja fácil arranjar tempo para treinar – evitam-se as desculpas :);
  • muitas provas de estrada populares têm – a atitude em provas é outra, mesmo sabendo que não vou ganhar;
  • acho que é equilibrada (nem muito curta, como seriam os 5 KM, nem muito longa, como seriam os 21.1 KM da meia maratona);
  • quero “conquistar” (i.e. ter um bom tempo) antes de pensar noutro tipo de distâncias…

Olhando para a lista, parecem-me razões tão boas como outras quaisquer… 🙂

Boas corridas!

Background

Março 25, 2010

Mini Maratona de Lisboa (Março de 2010) – 7 KM em 42:47:68 min.

Grande Prémio do Natal (Dezembro de 2009) – 43 min. a 50 metros da meta (supostamente de 10 KM mas dizem as más línguas que não era bem isso).

Corrida do Tejo (Outubro de 2009) – 10 KM em 56:07 minutos. Este é o meu record pessoal na distância.

Mini Maratona de Lisboa (Março de 2009) – 7 KM em 49:xx:yy min.

Nota: Os tempos são, salvo alguma indicação em contrário, o tempo do meu relógio com o cronómetro a ser iniciado desde que passo na partida até que cruzo a meta.